23/03/2009

Algol Diabolus e a Idéia do Mal

English version

No Livro de Astronomia de Bonatti (volume I, pg.314) encontramos uma curiosa observação onde ele fala sobre a constelação de Touro e as seis estrelas de de Touro que fazem parte das Plêiades. Todas elas são consideradas como pertencentes à natureza de Marte e Lua quando consideradas coletivamente, mas dentre elas, temos algumas que tomam a natureza de Marte e Mercúrio. Estas são as estrelas que no tempo de Bonatti eram encontradas à 14 graus e 45 minutos de Touro, chamada de Diabolus, e a 55 graus de distância encontramos Caput Diaboli, isto é, a cabeça do Diabo, que é a estrela mais conhecida como Algol. Isto significa que a estrela é binária. Algol tem uma longa reputação de ser associada com malefica, diabolismo e o mal. Mas o que é o mal? Observando esta questão do ponto de vista de um Astrólogo Tradicional, a maldade percebida deve ser entendida na base de sua natureza, Marte e Mercúrio. Mas podemos dizer que Marte é mau ou Mercúrio é mau ou estes termos são melhores entendidos pela aplicação à sua localização e como um conjunto de poderes são usados para influenciar uma situação? Em outras palavras, é a idéia do mal simplesmente baseada em perspectiva e localização?


Assumindo que harmonia indica uma balanço entre as coisas e os seres, e chamamos a isto de bem, podemos sugerir que desarmonia é causada por um desequilíbrio entre seres e coisas, e por extensão, se este desequilíbrio é de caráter violento e nocivo, ele irá apropriadamente apresentar os componentes do mal assim que aparecer no mundo. Se nos voltarmos à cabbala clássica, encontramos a natureza de Marte na face divina de Deus, chamada de Din ou Geburah. Este atributo divino representa restrição e força. São os poderes que experimentamos como protetores e como tal, no mundo dos humanos, esta face divina também é vista no brilho das tropas militares, na polícia, assim como nos agressores solitários que somente exercem os poderes de Din, de forma que não serve a uma meta ou propósito, e somente induz a dor ao mundo. Este desequilíbrio em um indivíduo pode gerar, ao descartar a harmonia e focar toda a atenção e propósito no Din, a paranóia, e fazê-lo consumido com medos e ansiedade, enxergando o mundo como uma ameaça. Os homens violentos, os homens nocivos, aqueles que sofrem de paranóia e medo e vivem em um estado de guerra caótica interna, fundiram-se completamente na severidade divina. Tais pessoas não vêm que a compaixão divina é de longe maior do que sua restrição. Compaixão é o poder encontrado em Júpiter, dignificado e doador, é o Sol que brilha e nutre, não por causa de qualquer expectativa, mas por causa do amor pulsando dentro do azoth do cosmo. É uma abundância de bondade que está em todos os lugares, mesmo que não aceitemos ou queiramos vê-la. O homem violento, entretanto, vê somente o mal e mesmo esta abundância de amor pode parecer ameaçadora, porque a presença do amor ameaça as percepções amedrontadas do homem nocivo.

Algol é também conhecida como a estrela de Lilith, a primeira esposa de Adão, e novamente a idéia do mal vem a mente. Mas o que constitui esta 'maldade' se não uma abundância de poder? Neste caso, uma abundância de criatividade crua e indomada sugerindo que cessa quando sob supressão e metamorfoseia em violência. Geralmente Algol é mencionado sem mencionar-se a pequena estrela à alguns graus de distância, mas bem dentro de seu campo. Ela é vista como solitária em seu “mercurialismo” marcial, onde os poderes dos planetas se tornam uma aflição, que atrapalha sua expressão e sua união. Agora, corte esta tensão do isolamento não busque vítimas deliberadamente, é sempre um acidente quando adentramos na vibração enquanto ela batalha para se libertar de sua contenção. Naturalmente, este é um pequeno aspecto de um grande mistério cósmico, mas para o propósito da percepção do mal, é suficiente sugerir que o mal dentre os humanos é basicamente o que é alcançado ao se encontrar em estado de restrição, onde a frustração nascida faz com que o indivíduo se oculte em caixões de ferro e guarda sua expressão restrita ao atacar vigorosamente os transeuntes inocentes. Assim como o tempo passa e a frustração aumenta, o homem violento vê somente ameaça e o coração se fecha ao amor e a bondade, em sua busca de afirmação do mal fundamental no mundo. Isto nos conta que pessoas nocivas, violentas e maliciosas são sintomas de aprisionamento. Esta prisão é como o metal de marte, o ferro, extremo... sob calor se faz extremamente quente, e quando está sob influência do frio, se torna extremamente frio. Da mesma forma, o homem de ódio e violência é engolido pelos mesmos extremos, queimando em seu próprio mundo gelado de ferro e noite. O que vemos é um poder protetor que ficou mau, mas através da compreensão os caminhos libertadores da compaixão que podem ser encontrados, e isto não é somente a forma como aqueles são atormentados pelo medo devem ser abordados por nós – mas esta é uma das chaves para abordarmos Algol, quando buscamos seu auxílio.