Pular para o conteúdo principal

O Vinho Celestial da Graça

English version
Em De Vita Libri Tres Marsilio Ficino (1433 – 1499) nos conta: “Mas seria seguro para a sua saúde se você misturasse com as coisas solares, que são Joviais e ao mesmo tempo Venéreas – umidades Venéreas tais como a água e suco de rosas e violetas, porque moderam o calor Solar.” (Ficino: 313)

Ficino via a raça humana como predominantemente Solar, da mesma maneira que os autores de Picatrix e Kitab Thakarit Al Ishkandar viam; mas como o Sol pode se tornar inclemente deixar o campo infértil, da mesma forma o excesso do Sol pode fazer tanto o corpo como a alma humana seca e sem vida. É importante, portanto, abrandar os raios reais do Sol e sua liberação de vapores natural, como uma forma de induzir a harmonia entre as partes do complexo humano. Provavelmente Ficino foi inspirado pelo tratado de Arnoldus Villa Novas (1235 – 1311) sobre as variedades do vinho, Liber de Vinis, uma obra que detalha uma seleção de vinhos que podem ser utilizados somente para propósitos medicinais. Ficino também recomendava um consumo regular de vinho tinto, que deveriam ser mais frutados do que escuros e amadeirados. Vinhos escuros e aromáticos, aqueles com um sabor de couro e bagas silvestres eram consideradas como atraentes das qualidades de Saturno, e iriam então estimular a melancolia.

Uma boa adição à dieta diária é, portanto, um vinho preparado de forma apropriada que possui a função única de balancear a qualidade predominante da humanidade, o Sol, em direção de duas fortunas celestiais, Júpiter e Vênus. O simples procedimento à seguir pode ser empregado para gerar um vinho medicinal que pode fazer parte da dieta diária, mas lembre-se que a regra de ouro de Villa Nova, de sempre comer algum pão e beber um pouco de água antes de beber vinho...

Primeiramente você deve obter uma raiz fresca de alcaçuz e em um Sábado, na hora do Sol, você colocar a raiz em um jarro de brandy, armanaque ou conhaque. Deixe o jarro aberta e coloque-a sobre um pentáculo do Sol. Quando a hora passar feche-o e mantenha assim por quarenta dias. Limpe-o de seu corpo e mantenha esta solução alcoólica infusa com as virtudes da raiz.

Em uma manhã de sexta feira, adquira duas garrafas de vinho tinto doce. Tome um pentáculo de Vênus e deixe uma das garrafas destampadas sobre o pentáculo. Acenda uma vela para Vênus e recite seu hino.

Enquanto o vinho absorve os vapores venéreos, você deverá macerar um punhado de folhas de louro juntamente com pétalas de rosas (e violetas). Deixe descansando até a hora de Júpiter, quando você irá filtrar bem o vinho, retirando seu corpo.

Tome o pentáculo de Júpiter e sobre ele coloque o vinho da maceração. Acenda uma vela para ele e recite seu hino. Aguarde até a hora do Sol e tome seu pentáculo. Reuna os três pentáculos e novamente recite os hinos e acenda as velas para os três planetas. Você então deve misturar em uma nova garrafa o vinho macerado, o vinho de Vênus e as virtes do alcaçuz.

Deixe as mistura descansar por sete dias, mas diariamente, nos primeiros cinco dias, agite a garrafa. No sétimo dia e hora de Vênus, você coará esta mistura e obterá assim o vinho que traz o equilíbrio da saúde humana, levando-o à natureza e felicidade.

Os corpos podem ser usados para refinamentos futuros do vinho, ao extrair os sais e assim produzir o elixir, se você você souber como seguir adiante, se não, entregue o corpo de volta à terra.

Postagens mais visitadas deste blog

The ‘firmeza’ of Quimbanda

Quimbanda is a cult centred on the direct and head on interaction with spirit, hence developing mediumistic skills and capability in spirit trafficking is integral and vital to working Quimbanda. Possession is a phenomenon that intrigues and also scares. After all we have all seen movies like The Exorcist and other horror thrillers giving visual spectacles to how hostile spirits can take over the human body, mind and soul in intrusive and fatal ways. But possessions do find a counterpart in the shamanic rapture as much as in the prophet whose soul is filled with angelic light that makes him or her prophetic. Possession is not only about the full given over of your material vessel to a spirit that in turn uses the faculties of the medium to engage various forms of work. Inspiration, dream and to be ‘under the influence’ are potentially valid and worthy avenues for connecting with spirit. Yet another avenue for good spirit trafficking is the communion, or what Jake Stratton-Kent calls ‘…

A Quimbanda FAQ

In this article I will try to answer some questions concerning Quimbanda that surfaces with frequency. Questions concerning how to work this cult solitary and somehow dislocated from the cultural climate of understanding here in Brazil are frequently asked as are questions concerning the magical tools, such as guias, patuás and statues, available to the general public.
I want to be initiated in Quimbanda, how do I proceed with that? When we speak of initiation in the perspective of Quimbanda we are speaking of a true and intense merging with spirit that involves a pact/agreement, a spirit vessel (assentamento), ordeal and oath. There are elements used in this process that are common to every house/terreiro/cabula/lineage of Quimbanda that reveals a common origin. There are different varieties of Quimbanda in Brazil, and the expression of the common root, will always depend of the constellation of spirits we find in the tronco. In other words, a ‘Casa de Exu’ that is dominated by Exu Mor…

Imperfect is the Path to Perfection ever Imperfect

A Review of Frater Acher: Holy Daimon (Scarlet Imprint: 2018)
As I read through the first pages of Frater Acher it became evident that this book was written by a kind soul, the kind of person that had his soul’s mirror to reflect kindness through the constant polishing and beating by Lord Saturn. As he writes on page 6:
“Flawlessness is for tyrants and the mythical dead. As living humans, our hands are always stained. We mess up, we clean up, and mostly are blissfully ignorant of the damage or good we have done… This Platonic idea of who we are meant to be is at one with, and yet entirely separate from, our mortal personalities. It is waiting for us within our holy daimon.”
And it is exactly this imperfection I found interesting in his work. The daimon, no matter if we analyse it from the philosophy of Zoroaster, Plato, Plotinus or the Chaldeans it appears that this daimoinic element is something of breath, something of fire, something good that enters us at birth is elegantly treated b…