Pular para o conteúdo principal

Aquele que tem paciência tem a tudo

English version

Ifá, a fé tradicional dentre os povos de língua Iorubá é um somatório de tesouros de recomendações práticas de como conduzir sua vida para que se alcance a felicidade e a realização; a meta prometida para qualquer um que ousar abraçar seu destino. Quando Ifá fala de guerra , por exemplo, fala também sobre coragem e retirada, como fala da importância de se manter uma mente calma e da importância da paciência.

Nesta última semana, como o Sol, Mercúrio e Vênus estiveram vagando ao redor do signo de Áries, notei muita raiva. Não direcionada à mim, mas uma raiva social, em uma variedade de tons. Nesta manhã acordei com o Sol, e um sentimento de paz precipitou-se de minha cabeça para baixo, e eu pensei comigo 'como sou feliz ao ser uma pessoa pacífica' – e então me lembrei de um provérbio de Ifá: “Ìbìnù Kó sè Ohùnkóhun Ìwà Sùsù Ní Ohùn Gbògbò”. Significa; “a raiva não alcança a nada. A paciência é a coroa do caráter e das realizações. Aquele que possui paciência, possui tudo.”

Há muito, naturalmente, que pode ser contemplado sobre isto, mas em particular a 'ira' ou raiva/ódio, veio à minha mente em razão da quantidade de raiva desviada que tenho visto ao redor nestas últimas semanas. Com isto também notei como a raiva não consegue alcançar a nada, ao contrário, começa a ser gerada em outros domínios da vida atormentada das pessoas. Na ortodoxia católica, a ira é o pecado e a virtude que lhe é contrária é, interessantemente, a paciência. Todos os sete pecados capitais vieram do sétimo, o primordial, hubris.
Hubris é geralmente traduzido como orgulho, mas hubris não é o tipo de orgulho que surge quando alguém está satisfeito com seus feitos. Não, é um orgulho feio, onde a alma inferior é exaltada à realeza na vida de alguém. É um senso deslocado de auto-importância, e com coisas e atitudes deslocadas, elas irão naturalmente ser desafiadas para que sejam colocadas novamente no local. Naturalmente, inveja e ira sãos os gêmeos feios do orgulho. Galeno considerava a raiva uma forma de loucura, e Sêneca dizia igualmente, em política e eventos esportivos, que considerava a raiva tanto inútil como sem valor. Em Provérbios 6:18,19, quando detalhando os atos de abominação, lista-se dentre eles: “Um coração que maquina projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal; uma testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.”

A raiva faz tudo isto, faz as pessoas mentirem, enganarem e se tornarem invejosas. Não só isto, a raiva pode alcançar isto tudo sozinha. Por isto é que Ifá chama pela paciência e diz, se você a tem, você terá todas as coisas. Então, eu só tenho a dizer, como digo toda manhã, adaptando do Odù Ifá Òtúrá Ogbè:

Quem quer que se sinta confortável irá se comportar como tal
Eu venho para louvar a calma
Para despertar nas primeiras horas da manhã
E dar ao destino o que ele merece
Eu sou uma pessoa que irá encontrar a sorte e felicidade em seu caminho
Ao dar ao destino o que ele merece
Encontrar sorte hoje e amanhã
Pois não há confusão na minha cabeça
Não há raiva em meu coração
Não há ganância em meu estômago
Minha cabeça está calma e limpa
Que assim seja!

Postagens mais visitadas deste blog

A Quimbanda FAQ

In this article I will try to answer some questions concerning Quimbanda that surfaces with frequency. Questions concerning how to work this cult solitary and somehow dislocated from the cultural climate of understanding here in Brazil are frequently asked as are questions concerning the magical tools, such as guias, patuás and statues, available to the general public.
I want to be initiated in Quimbanda, how do I proceed with that? When we speak of initiation in the perspective of Quimbanda we are speaking of a true and intense merging with spirit that involves a pact/agreement, a spirit vessel (assentamento), ordeal and oath. There are elements used in this process that are common to every house/terreiro/cabula/lineage of Quimbanda that reveals a common origin. There are different varieties of Quimbanda in Brazil, and the expression of the common root, will always depend of the constellation of spirits we find in the tronco. In other words, a ‘Casa de Exu’ that is dominated by Exu Mor…

The ‘firmeza’ of Quimbanda

Quimbanda is a cult centred on the direct and head on interaction with spirit, hence developing mediumistic skills and capability in spirit trafficking is integral and vital to working Quimbanda. Possession is a phenomenon that intrigues and also scares. After all we have all seen movies like The Exorcist and other horror thrillers giving visual spectacles to how hostile spirits can take over the human body, mind and soul in intrusive and fatal ways. But possessions do find a counterpart in the shamanic rapture as much as in the prophet whose soul is filled with angelic light that makes him or her prophetic. Possession is not only about the full given over of your material vessel to a spirit that in turn uses the faculties of the medium to engage various forms of work. Inspiration, dream and to be ‘under the influence’ are potentially valid and worthy avenues for connecting with spirit. Yet another avenue for good spirit trafficking is the communion, or what Jake Stratton-Kent calls ‘…

A Witchy Night at the Shores of the Danube

Just at the South of the Carpathian mountains where the river Danube flow through the centre of Balkan, Serbia, surrounded by Romania, Bulgaria, Macedonia and a whole network of history told in these lands and amongst its neighbors. Roman, Byzantine and Ottoman remains still linger on as drafts of a memory remarkably close in this land rich in lore and myth. This is the land of the dragon people and it was here the dragon Lucifer is said to have fallen. The river Danube is the home of prehistoric strains of Beluga and several other emissaries of Dagon himself that keep even the water rich in legend and dragon lore. So, here at the shores of Danube the cunning meeting between two witches took place in the days prior to the summer tide washing over the land scolding people, land and waters with its fiery rays. The shores of Dagon’s veins seems a most proper canvas for sharing some parts of our conversations in the form of an interview with Radomir Rade Ristic, author of the book Balkan …