Pular para o conteúdo principal

O Temor da Matéria

English version
Nos fragmentos filosóficos particularmente longos do filósofo dinamarquês Soeren Kierkegaard (1813 -1855) encontramos: “observe, o sofrimento do homem não é sua morte, mas sua vida toda é uma história de sofrimento; e é o amor que sofre, o amor que se dá do nada. Que admirável renúncia!” Com isto ele está lamentando a morte do amor, e como o desespero e temor tomou seu lugar. A modernidade encontra seu significado no sofrimento. Vivemos em um mundo sob controle negativo, sempre há demandas e códigos de conduta que nos são dados pela nossa sociedade ou de nossa história pessoal, e nos engajamos neles para evitarmos a punição. O amor se tornou um servente egoísta de necessidades imediatas e um escape de manipulação.

Kierkegaard via o temor da morte tomando o lugar do amor, Sartre viu a asfixia entrando na cena e para Nietzsche a conclusão era que o bem estava morto. Pois certamente, se Deus é Amor e amor não é sofrimento e auto-engano – o Deus dos antigos morreu com a chegada da modernidade. O que aconteceu foi que com as meditações e subsequentes experimentações de Descartes para provar a ordem divina, ele também pavimentou o caminho para o dualismo moderno. Era suficiente que fosse uma matéria perceptível aos sentidos e a percepção de nossos arredores, auxiliados por uma forma inferior de razão que abriram espaço para racionalizarmos para longe de Deus. Hoje em dia, pensamos em Deus de formas muito personalizadas, e vemos deus em nós mesmos e não mais um reflexo divino. Para os antigos, como Platão, Porfírio, Tomás de Aquino e Marsilio Ficino, Deus era amor. Então, ao expulsar Deus da equação do ser, expulsamos o amor. Não que Deus SEJA amor com tal, mas é através do amor que ganhamos o conhecimento dos perimetros divinos que definem a tangibilidade divina.

Com o cartesianismo, a ação à distância foi negada. Não havia mais graça ou raios divinos, e o homem se fechou em um universo corpuscular onde ele mesmo se tornou o autor de seu próprio destino, de acordo com a posição do nosso corpo em tempo e espaço.

O dualismo moderno não é está na relação da crença em bem e mal, não está na crença da queda e redenção, mas na crença ou descrença. No dualismo, a crença em amor e Deus, se tornou uma escolha pessoal. Disto se ergue o desespero, porque nos sentimos alienados e perdidos – não estamos mais conectados. Quando Baudelaire descreveu o amor como uma fonte de sangue que jorrava para que as prostitutas bebessem, ele mediu o temor e a alienação de formas que transcendem o temor e sofrimento de Kierkegaard. Para Baudelaire, a alienação da fonte se tornou uma vala de infecções e seu amor uma paixão de miséria e angústia.

Com Descartes a razão foi deslocada das emoções e do corpo; se tornou o monitor encarnado da verdade. O resto eram somente leis estéreis, e enquanto se poderia realizar um pensamento racional sobre a matéria, a com racional me referia-se à percepção diligente das atividades da matéria. Mas a percepção mental da matéria irá somente se engajar em uma 'admirável renúncia' – juntamente com o sofrimento naturalmente surgirá daí. O Homem é mais do que seu corpo, o Homem é microcosmo, a imagem divina da ordem celestial, a amálgama é amor. Então, por amor e bondade, pela compreensão de nossa participação em todas as coisas visíveis e invisíveis, podemos também alcançar as vias de nosso destino feliz, e se tivermos coragem o suficiente, podemos bater às portas de Eros...

Postagens mais visitadas deste blog

A Quimbanda FAQ

In this article I will try to answer some questions concerning Quimbanda that surfaces with frequency. Questions concerning how to work this cult solitary and somehow dislocated from the cultural climate of understanding here in Brazil are frequently asked as are questions concerning the magical tools, such as guias, patuás and statues, available to the general public.
I want to be initiated in Quimbanda, how do I proceed with that? When we speak of initiation in the perspective of Quimbanda we are speaking of a true and intense merging with spirit that involves a pact/agreement, a spirit vessel (assentamento), ordeal and oath. There are elements used in this process that are common to every house/terreiro/cabula/lineage of Quimbanda that reveals a common origin. There are different varieties of Quimbanda in Brazil, and the expression of the common root, will always depend of the constellation of spirits we find in the tronco. In other words, a ‘Casa de Exu’ that is dominated by Exu Mor…

The ‘firmeza’ of Quimbanda

Quimbanda is a cult centred on the direct and head on interaction with spirit, hence developing mediumistic skills and capability in spirit trafficking is integral and vital to working Quimbanda. Possession is a phenomenon that intrigues and also scares. After all we have all seen movies like The Exorcist and other horror thrillers giving visual spectacles to how hostile spirits can take over the human body, mind and soul in intrusive and fatal ways. But possessions do find a counterpart in the shamanic rapture as much as in the prophet whose soul is filled with angelic light that makes him or her prophetic. Possession is not only about the full given over of your material vessel to a spirit that in turn uses the faculties of the medium to engage various forms of work. Inspiration, dream and to be ‘under the influence’ are potentially valid and worthy avenues for connecting with spirit. Yet another avenue for good spirit trafficking is the communion, or what Jake Stratton-Kent calls ‘…

The Synoptic Grimoires

A review of Jake Stratton-Kent’s PANDEMONIUM (Hadean Press 2017)
In PANDEMONIUM Jake Stratton-Kent offers a comparative study of the spirits of Le Livre des Esperitz, the Grand Grimoire, the Book of Offices, the German Honorius, Weyer’s Pseudomonarchia Daemonum, the Goetia of Solomon, Scot’s Discoverie of Witchcraft and in this synoptic undertaking Jake has given a sort of key to the grimoires with the Spirit Catalogue that emerges from his comparative research.
It is a meticulous work he has been undertaking in discussing discrepancies between the main grimoires and then arriving towards a synthesis that for sure will be a reference manual for many.
For any student of the magical grammars this book is a must as it both clarifies, suggest and drive the grimoire tradition forward in the spirit of meeting these ‘demons’ head on and forge dynamic and personal liaisons with them.  This because Jake is also in the wealth of material presented allowing a classic format to emerge, namely how h…