Pular para o conteúdo principal

Malakim Veneris ou, Os Anjos de Vênus


O Divino Feminino intriga e magnetiza o contemplador. As mulheres, como portadoras do Arcana Arconorum da Natureza é repetidas vezes vestida em verde e vermelho, em túnicas de prostitutas e rainhas, fadas e nobres de todos os tipos. Ela é o Norte, ela é a Água, ela é a caverna e a tensão da escuridão. Ela é o momento da morte e o desdobrar da Natureza em máscaras e disfarces de todas as formas e modas.
Ela é a Sorveira e ela é Salgueiro a rosa sangrenta que se suspensa dentre o selvagem bosque verde. A runa ‘ken’ é às vezes associada com o poder da Sorveira e sua madeira vermelha, falando de sangue e luxúria, como o Salgueiro fala da grandeza confortável e consolo de mulher. Mulher é mistério, conforto e aniquilação, como falam as três Marias (Alnitak, Alnilam and Mintaka) compondo o cinto do Grande Caçador, Órion. Como tal ela é o cinturão de proteção, a linha secreta no peito do guerreiro.
Assim como o tempo degenera e a luz divina se turva e distancia, assim faz a compreensão do homem material sobre o portal da casa de Deus. O divino feminino visto como Schekinah, ou “Presença de Deus” – ou mulheres vistas como Sophia, “Sabedoria” – é geralmente descartado a favor da mulher como Prunikis, ou “prostituta”, vista em perspectivas completamente profanas.
Não somente a perspectiva profana, mas a moral que media esta perspectiva profana reside em julgamentos corrompidos de orientação dualista. Isto, por sua vez leva à deturpação da mulher e sua imagem divina. Axiomas como “A Mulher É Tudo” são aproximadas de motivações carnais e idéias semi-tântricas, como as apresentadas, por exemplo, por Omar Garrison em sua publicação de “Tantra – A Yoga do Sexo”, em 1964.
Apesar de algumas boas perspectivas, a abordagem sensacionalista toma a atenção, especialmente quando ele fala de ‘demônias’, e o interesse é total nas manifestações perversas e sensuais. À mente chegam Inanna, Ishtar, Lilith, Freya, Circe e outras filhas de Vênus, que falam do sensual e erótico, força e oráculos. Talvez a forma mais intacta relacionada ao divino feminino seja a deidade do rio Ioruba, Osun, onde a elegância, perspicácia e agudeza andam de mãos dadas com o erotismo jubiloso e sabedoria oracular. Da perspectiva tradicional, Osun foi a primeira Irunmole (casa da luz) mulher que veio à Terra com o propósito de adoçar o mundo com abundância e alegria sob o sol. Sua face noturna, por outro lado, ela foi relegada ao círculo das mulheres sábias, as IyaMis, representando os potenciais cataclísmicos na criação, os perigos noturnos, a fúria do caos e o gélido fogo da necessidade. Estas faces vis e perigosas do divino feminino geralmente se encontram com a estreiteza em termos de compreensão, como vemos no poder venusiano, Mama Chola, que encontramos no Palo, a Pomba Gira na Kimbanda ou Erzulie Dantor, se não Marinette no Vodu Haitiano.
Tomando-se Pomba Gira como um exemplo, encontramos aqui a mulher como desafiadora. Ela é claramente um protótipo da bruxa continental (assim como muito mais), desde que ela se mantém firme em sua feminilidade, orgulho do corpo, da mente, e seus poderes de atrair e repelir. Como todos os poderes femininos, todos os anjos de Vênus, ela preside sobre a ruína e a destruição, e abençoa no mesmo sopro. Vênus é tanto gulosa como hedonista, e é a estrada do amor e devoção rumo à unificação e sabedoria. Os trovadores e aristocratas vagantes que se ocuparam com a prática do amor cortês perceberam o mistério de Deus ao fundarem a morada na presença de Deus usando a mulher como o ponto de atração da divina doçura em suas vidas.
A mulher é a divina doçura ou a divina amargura. A raiva que inflama Marte é uma conseqüência direta da amargura de Vênus. Poucos parecem contemplar estes fatores e ao invés disto a mulher é abordada como uma companheira luxuriosa e meio de exaltação do homem, enquanto na verdade o homem precisa da mulher graças à sua imperfeição. Através da mulher, o homem define seu panorama e ela é seu espelho. Na mulher, cada homem tem o que merece...

Postagens mais visitadas deste blog

A Quimbanda FAQ

In this article I will try to answer some questions concerning Quimbanda that surfaces with frequency. Questions concerning how to work this cult solitary and somehow dislocated from the cultural climate of understanding here in Brazil are frequently asked as are questions concerning the magical tools, such as guias, patuás and statues, available to the general public.
I want to be initiated in Quimbanda, how do I proceed with that? When we speak of initiation in the perspective of Quimbanda we are speaking of a true and intense merging with spirit that involves a pact/agreement, a spirit vessel (assentamento), ordeal and oath. There are elements used in this process that are common to every house/terreiro/cabula/lineage of Quimbanda that reveals a common origin. There are different varieties of Quimbanda in Brazil, and the expression of the common root, will always depend of the constellation of spirits we find in the tronco. In other words, a ‘Casa de Exu’ that is dominated by Exu Mor…

The ‘firmeza’ of Quimbanda

Quimbanda is a cult centred on the direct and head on interaction with spirit, hence developing mediumistic skills and capability in spirit trafficking is integral and vital to working Quimbanda. Possession is a phenomenon that intrigues and also scares. After all we have all seen movies like The Exorcist and other horror thrillers giving visual spectacles to how hostile spirits can take over the human body, mind and soul in intrusive and fatal ways. But possessions do find a counterpart in the shamanic rapture as much as in the prophet whose soul is filled with angelic light that makes him or her prophetic. Possession is not only about the full given over of your material vessel to a spirit that in turn uses the faculties of the medium to engage various forms of work. Inspiration, dream and to be ‘under the influence’ are potentially valid and worthy avenues for connecting with spirit. Yet another avenue for good spirit trafficking is the communion, or what Jake Stratton-Kent calls ‘…

The Synoptic Grimoires

A review of Jake Stratton-Kent’s PANDEMONIUM (Hadean Press 2017)
In PANDEMONIUM Jake Stratton-Kent offers a comparative study of the spirits of Le Livre des Esperitz, the Grand Grimoire, the Book of Offices, the German Honorius, Weyer’s Pseudomonarchia Daemonum, the Goetia of Solomon, Scot’s Discoverie of Witchcraft and in this synoptic undertaking Jake has given a sort of key to the grimoires with the Spirit Catalogue that emerges from his comparative research.
It is a meticulous work he has been undertaking in discussing discrepancies between the main grimoires and then arriving towards a synthesis that for sure will be a reference manual for many.
For any student of the magical grammars this book is a must as it both clarifies, suggest and drive the grimoire tradition forward in the spirit of meeting these ‘demons’ head on and forge dynamic and personal liaisons with them.  This because Jake is also in the wealth of material presented allowing a classic format to emerge, namely how h…