Pular para o conteúdo principal

Por favor, posso complicar sua vida?


O odu Ifá Ìkáwónrín diz: Ìká ènìyàn kìí wòn ohun tire kí ó tóó seé

Isto foi traduzido por Karenga da seguinte forma:

“O malvado não mede sua conduta antes de agir”
 
Agora, a idéia de maldade deve ser discutida. Neste contexto, maldade é uma referência direta à palavra iorubana Ìká. Bem, o dicionário a traduz como maldade e crueldade, e na teologia de Ifá, compreendemos Ìká como o princípio de controle, desde que se relaciona a Obaluwaye. Mais adiante, a palavra ìkálára simplesmente significa ‘emoções’, mas emoções desequilibradas. É a irrupção dentro de você para que você controle seu ambiente em conformidade com o que lhe dá prazer. É interessante ver que o odu Ìká meji é um odu que manifesta Obaluwaye, o espírito das doenças infecciosas que rege as horas mais quentes do dia. Se Obaluwaye está for a de controle, o resultado é cólera, malaria, catapora e mortes por febres altas em todos os lugares, graças à falta de controle ou contenção do centro emocional de seu poder. Então, a maldade a qual Ìká se refere, é a maldade que se ergue de emoções descontroladas que dão foco somente às gratificações imediatas do indivíduo propriamente. 

Vejo isto o tempo todo, Ìká em ação no mundo, esta falta de controle e consideração em todos os lugares, que dá forma às ações das pessoas, tornando a vida dos outros mais complicada. Isto tudo pode ser orientado puramente pelas metas egoístas, tais como parar o carro no meio da rua para conversar com alguém, ou furar uma fila. Isto pode ser relacionado à falta de controle de seus filhos, que fazem com que o ambiente seja desprazeiroso aos outros, como pode ser simplesmente dar foco e exaltação ao seu próprio prazer de qualquer forma antes dos outros.

A mensagem é simplesmente sobre o controle dos impulsos emocionais imediatos. Mantenhamos em mente que se sua vida fica melhor, minha vida fica melhor. Ao fazer a vida dos outros mais fácil, fazemos nossa própria vida mais fácil, e através deste tipo de consideração refletimos Ìká em ire e isto nos trará boa fortuna, desde que entramos em um círculo positivo de ajuda e atenção mútua. 

Ìká é também um odu que na diáspora denota bruxedos e maldições, mas poucos parecem levar em conta que fofocas, mentiras, falta de consideração e malícia geral são a essência do bruxedo, e em última instância irá nublar as percepções de seu verdadeiro Self – no final das contas, você perderá a apreciação por si próprio e agir de formas desconsideradas e rudes, sem perceber que é seu próprio ódio que te move. Você SE transforma em uma vibrante maldição ambulante sobre qualquer pessoa que você encontra. Isto soa alarmante, e é – mas a solução é muito simples: tenha consideração e perceba que ao ajudar os outros, você está ajudando a si mesmo. Ao fazer isto, um retorno a Ile Ifé, ‘a cidade do Amor’ está aberta pela espada de Ogun

Postagens mais visitadas deste blog

A Quimbanda FAQ

In this article I will try to answer some questions concerning Quimbanda that surfaces with frequency. Questions concerning how to work this cult solitary and somehow dislocated from the cultural climate of understanding here in Brazil are frequently asked as are questions concerning the magical tools, such as guias, patuás and statues, available to the general public.
I want to be initiated in Quimbanda, how do I proceed with that? When we speak of initiation in the perspective of Quimbanda we are speaking of a true and intense merging with spirit that involves a pact/agreement, a spirit vessel (assentamento), ordeal and oath. There are elements used in this process that are common to every house/terreiro/cabula/lineage of Quimbanda that reveals a common origin. There are different varieties of Quimbanda in Brazil, and the expression of the common root, will always depend of the constellation of spirits we find in the tronco. In other words, a ‘Casa de Exu’ that is dominated by Exu Mor…

The ‘firmeza’ of Quimbanda

Quimbanda is a cult centred on the direct and head on interaction with spirit, hence developing mediumistic skills and capability in spirit trafficking is integral and vital to working Quimbanda. Possession is a phenomenon that intrigues and also scares. After all we have all seen movies like The Exorcist and other horror thrillers giving visual spectacles to how hostile spirits can take over the human body, mind and soul in intrusive and fatal ways. But possessions do find a counterpart in the shamanic rapture as much as in the prophet whose soul is filled with angelic light that makes him or her prophetic. Possession is not only about the full given over of your material vessel to a spirit that in turn uses the faculties of the medium to engage various forms of work. Inspiration, dream and to be ‘under the influence’ are potentially valid and worthy avenues for connecting with spirit. Yet another avenue for good spirit trafficking is the communion, or what Jake Stratton-Kent calls ‘…

A Witchy Night at the Shores of the Danube

Just at the South of the Carpathian mountains where the river Danube flow through the centre of Balkan, Serbia, surrounded by Romania, Bulgaria, Macedonia and a whole network of history told in these lands and amongst its neighbors. Roman, Byzantine and Ottoman remains still linger on as drafts of a memory remarkably close in this land rich in lore and myth. This is the land of the dragon people and it was here the dragon Lucifer is said to have fallen. The river Danube is the home of prehistoric strains of Beluga and several other emissaries of Dagon himself that keep even the water rich in legend and dragon lore. So, here at the shores of Danube the cunning meeting between two witches took place in the days prior to the summer tide washing over the land scolding people, land and waters with its fiery rays. The shores of Dagon’s veins seems a most proper canvas for sharing some parts of our conversations in the form of an interview with Radomir Rade Ristic, author of the book Balkan …