09/02/2010

Por favor, posso complicar sua vida?


O odu Ifá Ìkáwónrín diz: Ìká ènìyàn kìí wòn ohun tire kí ó tóó seé

Isto foi traduzido por Karenga da seguinte forma:

“O malvado não mede sua conduta antes de agir”
 
Agora, a idéia de maldade deve ser discutida. Neste contexto, maldade é uma referência direta à palavra iorubana Ìká. Bem, o dicionário a traduz como maldade e crueldade, e na teologia de Ifá, compreendemos Ìká como o princípio de controle, desde que se relaciona a Obaluwaye. Mais adiante, a palavra ìkálára simplesmente significa ‘emoções’, mas emoções desequilibradas. É a irrupção dentro de você para que você controle seu ambiente em conformidade com o que lhe dá prazer. É interessante ver que o odu Ìká meji é um odu que manifesta Obaluwaye, o espírito das doenças infecciosas que rege as horas mais quentes do dia. Se Obaluwaye está for a de controle, o resultado é cólera, malaria, catapora e mortes por febres altas em todos os lugares, graças à falta de controle ou contenção do centro emocional de seu poder. Então, a maldade a qual Ìká se refere, é a maldade que se ergue de emoções descontroladas que dão foco somente às gratificações imediatas do indivíduo propriamente. 

Vejo isto o tempo todo, Ìká em ação no mundo, esta falta de controle e consideração em todos os lugares, que dá forma às ações das pessoas, tornando a vida dos outros mais complicada. Isto tudo pode ser orientado puramente pelas metas egoístas, tais como parar o carro no meio da rua para conversar com alguém, ou furar uma fila. Isto pode ser relacionado à falta de controle de seus filhos, que fazem com que o ambiente seja desprazeiroso aos outros, como pode ser simplesmente dar foco e exaltação ao seu próprio prazer de qualquer forma antes dos outros.

A mensagem é simplesmente sobre o controle dos impulsos emocionais imediatos. Mantenhamos em mente que se sua vida fica melhor, minha vida fica melhor. Ao fazer a vida dos outros mais fácil, fazemos nossa própria vida mais fácil, e através deste tipo de consideração refletimos Ìká em ire e isto nos trará boa fortuna, desde que entramos em um círculo positivo de ajuda e atenção mútua. 

Ìká é também um odu que na diáspora denota bruxedos e maldições, mas poucos parecem levar em conta que fofocas, mentiras, falta de consideração e malícia geral são a essência do bruxedo, e em última instância irá nublar as percepções de seu verdadeiro Self – no final das contas, você perderá a apreciação por si próprio e agir de formas desconsideradas e rudes, sem perceber que é seu próprio ódio que te move. Você SE transforma em uma vibrante maldição ambulante sobre qualquer pessoa que você encontra. Isto soa alarmante, e é – mas a solução é muito simples: tenha consideração e perceba que ao ajudar os outros, você está ajudando a si mesmo. Ao fazer isto, um retorno a Ile Ifé, ‘a cidade do Amor’ está aberta pela espada de Ogun