Pular para o conteúdo principal

O Espírito da Ausência


Às vezes, expressões verdadeiramente bizarras de verdades eternas são manifestas em uma cacofonia profana da teosofia voluntariosa e infernal que pretende levar a alguma forma de gnose ou conhecimento. Uma dessas expressões é relacionada com a perspectiva ‘wiccana’ sobre Lilith, onde ela é vista como uma Mãe, igual a quaisquer outras deusas, e todas elas são mães. É necessário esclarecer o termo genérico ‘Mãe’. A idéia metafísica inerente à maternidade é claramente relacionada com o útero. A Mãe, por conseguinte, tem como premissa fundamental a posse de um útero. Como tal, a natureza é a manifestação principal da possibilidade divina. Ela é o útero do mundo, que torna a vida possível.

Se aceitarmos isso como uma premissa satisfatória para a referência da mãe, também temos que levar em conta a condição deste ventre ser fértil ou estéril. É aqui que podemos nos aproximar de Lilith, pela sua essência ser definida pela ausência. Ela é a pomba sagrada que desdobra o fluxo e refluxo da Lua. Ela cavalga as ondas do leite da noite, como a Rainha do Sangue, impregnando inspiração pela virtude da ausência. Por isso ela é o terror da noite, não o silêncio, mas a ausência de som, quando os sentimentos de isolamento e solidão se agarram à garganta. E é por isso ela é considerada por muitos como a Mãe das Bruxas, e por Bruxas devemos entender que são aquelas que vivem no limiar dos mundos e que embalsamam o mundo de poesia e de encantamentos. Não há espaço para ‘paganismo urbano’ em seu mistério, pois ela vive nas paisagens selvagens, onde a ausência do sol e calor é pungente - e este é o caminho ensangüentado para a raça escolhida para afirmar o desígnio divino.

Podemos notar suas manifestações não só na sensação de terror, mas também onde a luxúria e a violência se reúnem e somos levados para o limiar do conforto. Lá, ela espera à porta que não conhece segurança, mas ganchos e correntes que acariciam sua carne e levam-no a um estado de tensão e êxtase divino, onde o corpo se transforma em instrumento da noite. O corpo torna-se a ausência manifesta.

As implicações metafísicas do mistério que Lilith representa são massivas e necessárias para que o sangue do outro lado do véu flua ao mundo dos homens e mulheres marcados como seus. Curiosamente, ela se manifesta através da luxúria e dos desejos e, como tal, um desafio constante para a realização da imagem celestial que se desdobra no reino sombrio do erótico, porque aqui também encontramos a morte. Eros e Thanatos são seus cavalos, e sua carruagem é da Lua - e aqui se estabelece mistério sobre mistério, velado pelo leite da lua e a carne noturna ...

Postagens mais visitadas deste blog

A Quimbanda FAQ

In this article I will try to answer some questions concerning Quimbanda that surfaces with frequency. Questions concerning how to work this cult solitary and somehow dislocated from the cultural climate of understanding here in Brazil are frequently asked as are questions concerning the magical tools, such as guias, patuás and statues, available to the general public.
I want to be initiated in Quimbanda, how do I proceed with that? When we speak of initiation in the perspective of Quimbanda we are speaking of a true and intense merging with spirit that involves a pact/agreement, a spirit vessel (assentamento), ordeal and oath. There are elements used in this process that are common to every house/terreiro/cabula/lineage of Quimbanda that reveals a common origin. There are different varieties of Quimbanda in Brazil, and the expression of the common root, will always depend of the constellation of spirits we find in the tronco. In other words, a ‘Casa de Exu’ that is dominated by Exu Mor…

The ‘firmeza’ of Quimbanda

Quimbanda is a cult centred on the direct and head on interaction with spirit, hence developing mediumistic skills and capability in spirit trafficking is integral and vital to working Quimbanda. Possession is a phenomenon that intrigues and also scares. After all we have all seen movies like The Exorcist and other horror thrillers giving visual spectacles to how hostile spirits can take over the human body, mind and soul in intrusive and fatal ways. But possessions do find a counterpart in the shamanic rapture as much as in the prophet whose soul is filled with angelic light that makes him or her prophetic. Possession is not only about the full given over of your material vessel to a spirit that in turn uses the faculties of the medium to engage various forms of work. Inspiration, dream and to be ‘under the influence’ are potentially valid and worthy avenues for connecting with spirit. Yet another avenue for good spirit trafficking is the communion, or what Jake Stratton-Kent calls ‘…

The Synoptic Grimoires

A review of Jake Stratton-Kent’s PANDEMONIUM (Hadean Press 2017)
In PANDEMONIUM Jake Stratton-Kent offers a comparative study of the spirits of Le Livre des Esperitz, the Grand Grimoire, the Book of Offices, the German Honorius, Weyer’s Pseudomonarchia Daemonum, the Goetia of Solomon, Scot’s Discoverie of Witchcraft and in this synoptic undertaking Jake has given a sort of key to the grimoires with the Spirit Catalogue that emerges from his comparative research.
It is a meticulous work he has been undertaking in discussing discrepancies between the main grimoires and then arriving towards a synthesis that for sure will be a reference manual for many.
For any student of the magical grammars this book is a must as it both clarifies, suggest and drive the grimoire tradition forward in the spirit of meeting these ‘demons’ head on and forge dynamic and personal liaisons with them.  This because Jake is also in the wealth of material presented allowing a classic format to emerge, namely how h…