Pular para o conteúdo principal

Pegadas de um Bruxo

A linguagem dos nossos sonhos reflete nossa verdadeira essência... - Bosh, o Jardim (centro)
Com um novo livro sobre bruxaria prestes a vir à tona, chegam os ventos quentes das especulações. Alguns o fazem por temor que as máscaras possam cair, outros porque ‘devem’ ter uma impressão precisa sobre o caráter do autor para informar o rebanho, e ainda outros que se ocupam simplesmente com o preconceito cego. A maledicência tem sido moeda corrente no mercado da crença, em especial das ‘religiões’ que ainda buscam solo para expandir suas raízes.

Uma das especulações que estão em alta é a de que o autor do livro Ars of the Night (Artes da Noite), do autor Nicholaj de Mattos Frisvold, trabalhe um tipo de híbrido que ele gosta de chamar de Bruxaria Tradicional. Outra, mais nova, tenta descaracterizar, mais uma vez, o que é reconhecido internacionalmente como Bruxaria Tradicional, inclusive nos países de onde se originam as crenças que estas pessoas se orgulham em estar conectadas – um belo tiro no próprio pé. Existem ainda aqueles que refutam as credenciais dele como bruxo, baseados em informações incompletas sobre linhagem iniciática, fornecidas há anos atrás inadvertidamente por um novato. Ele está agora bem informado que este tipo de informação é concernente somente quando há reciprocidade de exibição de credenciais – não orais ou virtuais, e há de ser fornecida de forma completa, incluindo contexto e certificado. No mais, aquele que era novato ganhou maturidade e amor fraterno o suficiente para uma conexão real com os Mistérios, mais do que obteria através de uma aprovação relutante e cheia de preconceitos de qualquer frágil ‘personalidade’.

Isto tudo somente reflete a confusão criada pela falta de compreensão do que de fato trabalhamos em nossa família, o que parcialmente pode encontrar explicação no fato de não haver nenhum de nossos irmãos ocupado com a inútil, para não dizer estúpida, atividade de esmurrar pontas de facas em comunidades virtuais. Já fizemos isto, já vimos disto...e chegamos à adorável conclusão que não precisamos justificar nossas crenças, e que à comunidade “bruxística” falta muito contexto para entender o que realmente se passa em nossa família. Isto também reflete as decisões que tomamos de trilharmos o caminho ao invés de gritarmos verdades em cima do monte. Pois para quem quiser nos olhar nos olhos e conhecer de fato o que somos, existem portas abertas que deixamos espalhadas por aí.

Tive certa resistência para escrever esta postagem, mas penso que é mesmo uma pena ver que existe muita gente comprando as perspectivas distorcidas dos outros como se fossem verdades absolutas. Isto já passou do ponto de me chatear, pois tudo está exatamente do jeito que deveria estar. Hoje em dia vejo que quando há resistências há um fluxo de energia tentando encontrar seu caminho, exatamente como em um rio cheio de pedras, e as críticas fazem parte de nossa vida. As críticas servem como medidores de nosso sucesso, como pontos para reflexão e para analisarmos a forma que deixamos nossas pegadas no mundo. Então penso que esta seja uma pequena pegada, para olhos que estão buscando ver, por si.

Como sempre repetimos dentro da Via, a Arte Tradicional não precisa de defesa, e isto tem provado ser verdadeiro. Contudo, com a ausência de textos e traduções sobre a Arte Tradicional, muito barulho ao seu redor começou a surgir. Agora, assume-se que ela seja um híbrido pavoroso criado por alguns magos cerimoniais nos anos 60 em provável oposição a Gardner. Dizem também que isto não é o que eles reconhecem como “Bruxaria”. O mais engraçado é que nenhuma destas pessoas é o que podemos chamar de “autoridade”, com seus ‘selinhos de qualidade estampados na testa’ (“Hei Mamãe, olha aqui, eu sou reconhecido por algum grandão, então me responda!!!!”). Mas vou fazer um chamado para a realidade aqui: isto não existe em ‘Bruxaria’ e realmente acho que é desafio maior mostrar resultados, o que é mensurável em termos de eficiência real, visível e material. Sou extremamente relutante em ‘gastar vela boa com santo ruim’, e se a magia fica somente no reino da teatralidade, estou fora, pois fé cega é tão boa quanto qualquer outra ilusão. 

Até agora poucos, tais como Paulo Coelho, mostraram esta capacidade de ‘manifestar neste plano’. E lógico, todo mundo aponta o dedo para ele para dizer que ele não é bruxo, enquanto ele encolhe os dedinhos para desaparecer e recebe honras de pessoas realmente importantes, enquanto as pálidas ‘personalidades bruxísticas’ se rasgam de inveja. Injusto? Não, bem merecido! Andou o caminho, trabalhou duro para escrever suas belas ficções e transformou seus sonhos em realidade.

O que ele fez, simplesmente, foi se apoiar no que nós, tradicionalistas, chamamos de Verdades Atemporais, e suas obras, mesmo que se caracterizem como pura ficção, contribuíram com o bem estar de várias pessoas no mundo. Estas ‘Verdades’ estão presentes em todas as religiões e cultos do mundo – exceto nas mais modernas que perderam sua conexão com estas fontes – e isto não significa que tudo seja colocado dentro de um só caldeirão e cozido como “bruxaria”. Quem fala isto está simplesmente fazendo o incauto engolir uma distorção, e quem tem engolido deveria fazer a pergunta: “com que propósito?”

Usando a culinária como uma metáfora para explicar o que se passa: é extremamente interessante conhecer todos os legumes, verduras, carnes e temperos, bem como o contexto cultural que uma dada culinária se desenvolve. Contudo, certos legumes, verduras, carnes e temperos são de uso comum em vários países e em vários contextos culturais. Agora, se alguns ‘temperos’ são comuns, o que de fato eles querem dizer? E mais, como saberia diferenciar este tempero sem provar um prato? Misturar todos os elementos em um caldeirão exigiria descartar qualquer perícia da arte de cozinhar, uma completa falta de paladar e uma flora intestinal imbatível. Então, vamos com calma, cada prato em sua panela apropriada! 

Com isto quero dizer que o fato de uma pessoa conhecer uma variedade de pratos com a profundidade de um expert em culinária internacional, ou seja, se enfurnando pelas cozinhas do mundo, não faz com que esta pessoa sirva jantares ‘ecléticos’. Pelo contrário, esta pessoa conhece os contrastes, os parâmetros e a vasta riqueza ‘cultural’ de sua própria espécie.

Estas pessoas ocupadas em maldizer “todas as outras que não são o que eles pensam que a bruxaria é” querem discutir o que não entendem, e assim, querem formar uma idéia onde não há espaço deixado vago pela grandeza de suas próprias convicções. É tão absurdo quanto querer desafiar a natureza de nosso plano físico, forçando dois corpos a ocuparem um só espaço! Como estas pessoas não abrem ‘terreno’ para compreender, elas preferem então entrar em oposição, uns de forma velada e outros de forma explícita. Creio que subestimam a capacidade de análise de seus rebanhos, e quer saber? Eles estão certos quanto a isto. Enquanto as pessoas buscam se conformar com dogmas, com ‘despachantes da Deusa’ com ‘saltos de fé’ sobre um abismo de brigas, segundas intenções, revoltas e recalques, elas fizeram nada mais do que trocar os templos de pedra de Pedro por rituais floridos em parques. E tudo continua na mesma em nossa abençoada terra, e tudo está exatamente como deveria estar. Como diz um provérbio francês: “Quanto mais se tenta mudar algo, mais ela permanece a mesma”.

Que todos os deuses possam abençoar, mais e mais, com luz a todos que buscam por Ela.

Postagens mais visitadas deste blog

A Quimbanda FAQ

In this article I will try to answer some questions concerning Quimbanda that surfaces with frequency. Questions concerning how to work this cult solitary and somehow dislocated from the cultural climate of understanding here in Brazil are frequently asked as are questions concerning the magical tools, such as guias, patuás and statues, available to the general public.
I want to be initiated in Quimbanda, how do I proceed with that? When we speak of initiation in the perspective of Quimbanda we are speaking of a true and intense merging with spirit that involves a pact/agreement, a spirit vessel (assentamento), ordeal and oath. There are elements used in this process that are common to every house/terreiro/cabula/lineage of Quimbanda that reveals a common origin. There are different varieties of Quimbanda in Brazil, and the expression of the common root, will always depend of the constellation of spirits we find in the tronco. In other words, a ‘Casa de Exu’ that is dominated by Exu Mor…

The ‘firmeza’ of Quimbanda

Quimbanda is a cult centred on the direct and head on interaction with spirit, hence developing mediumistic skills and capability in spirit trafficking is integral and vital to working Quimbanda. Possession is a phenomenon that intrigues and also scares. After all we have all seen movies like The Exorcist and other horror thrillers giving visual spectacles to how hostile spirits can take over the human body, mind and soul in intrusive and fatal ways. But possessions do find a counterpart in the shamanic rapture as much as in the prophet whose soul is filled with angelic light that makes him or her prophetic. Possession is not only about the full given over of your material vessel to a spirit that in turn uses the faculties of the medium to engage various forms of work. Inspiration, dream and to be ‘under the influence’ are potentially valid and worthy avenues for connecting with spirit. Yet another avenue for good spirit trafficking is the communion, or what Jake Stratton-Kent calls ‘…

A Witchy Night at the Shores of the Danube

Just at the South of the Carpathian mountains where the river Danube flow through the centre of Balkan, Serbia, surrounded by Romania, Bulgaria, Macedonia and a whole network of history told in these lands and amongst its neighbors. Roman, Byzantine and Ottoman remains still linger on as drafts of a memory remarkably close in this land rich in lore and myth. This is the land of the dragon people and it was here the dragon Lucifer is said to have fallen. The river Danube is the home of prehistoric strains of Beluga and several other emissaries of Dagon himself that keep even the water rich in legend and dragon lore. So, here at the shores of Danube the cunning meeting between two witches took place in the days prior to the summer tide washing over the land scolding people, land and waters with its fiery rays. The shores of Dagon’s veins seems a most proper canvas for sharing some parts of our conversations in the form of an interview with Radomir Rade Ristic, author of the book Balkan …